"Sentimento de missão cumprida!”, diz ministro da Defesa sobre conclusão da Operação Regresso


Grupo de 58 pessoas que estavam em quarentena em Anápolis (GO) foi liberado neste domingo. Repatriados vieram de Wuhan, China, foco da contaminação pelo novo coronavírus


Força Aérea preparada para partir de Anápolis (GO) com repatriados Foto: FABO ministro da Defesa, Fernando Azevedo, afirmou neste domingo (23) que todas as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde foram seguidas durante o período de quarentena dos repatriados na Base Aérea de Anápolis (GO). "Nós cumprimos (o que) os protocolos nacionais e internacionais prescrevem, e deixou em condições de a gente liberar os 44 e mais os 24 que acompanharam a partir do décimo quarto dia, e de todos os quatro exames. Todos negativos", explicou. "Nosso sentimento é de missão cumprida!"


Azevedo ainda destacou a atuação do Ministério das Relações Exteriores, do Ministério da Saúde e da Anvisa, que participaram da Operação Regresso à Pátria Amada. "Três diplomatas nossos saíram de Pequim, no seu carro próprio, e deram condições para que os nossos brasileiros embarcassem. Nosso Ministério da Saúde, revendo e fazendo todos os protocolos nacionais e internacionais, foi primordial pra isso, juntamente com a Anvisa, teve um papel muito importante."

O ministro citou a participação das Forças Armadas na Operação, particularmente da Força Aérea Brasileira, elogiando todo seu time, tanto no resgate por meio das aeronaves como no acompanhamento de saúde.

A Operação Regresso à Pátria Amada Brasil foi uma ação interministerial com objetivo de repatriar os brasileiros que estavam localizados em Wuhan, China, devido ao surto do novo coronavírus (2019-nCoV). As ações da FAB abrangeram o transporte, a recepção e o acolhimento das pessoas repatriadas.
Despedida

Antes da saída do grupo, houve uma cerimônia que marcou o final do período de quarentena, com a participação do ministro da Defesa, do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do prefeito de Anápolis, Roberto Naves, do Comandante da FAB, tenente-brigadeiro do ar Bermudez, e do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, além de representantes da Anvisa.

O clima era de gratidão e emoção entre os brasileiros e a equipe de apoio. Profissionais militares e civis não mediram esforços para levar bem estar e segurança a todos.

As crianças Matheus e Melissa entregaram uma bandeira do Brasil autografada por todos os repatriados ao Ministro da Defesa. "Agradeço a lembrança, ela será entregue ao nosso presidente, simbolizando nosso sentimento aqui, de orgulho e alívio. Orgulho de ver terminada a missão com sucesso e alívio porque todos os resultados deram negativo. Bom retorno, que Deus os acompanhe", agradeceu e desejou o ministro.

A cerimônia, que ocorreu na Ala 2 (Base Aérea de Anápolis), contou com a presença da imprensa, da equipe de apoio e de pessoas dos órgãos que colaboraram para a missão. O público assistiu a um vídeo que resumiu a Operação: a preparação do Hotel, o dia a dia, os brasileiros agradecendo. Em uma das imagens, o suboficial Athayde da Silva Soares, que se voluntariou para a missão apesar de ter sofrido uma trombose poucos dias antes do início, emocionou-se.

“Foram quase 18 horas por dia junto com o pessoal, e a gente acaba se apegando. E pude sentir empatia por eles, porque quando eu saia da área de risco, as pessoas ficavam com uma certa cautela, situação que eles também enfrentavam. Eu consegui sentir o que eles passavam. Passamos a ser uma grande família”, relembrou.

Athayde é militar há 33 anos, integra o Grupamento de Apoio Logístico de Campanha (GALP) da Aeronáutica e esteve em diversas missões de cunho humanitário. Na solenidade, ele entregou uma lembrança a Lizia, mãe do menino Matheus. Mais uma vez, o militar não conseguiu conter as lágrimas.

O Comandante da Aeronáutica declarou que se sentiu honrado pela confiança do presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma missão complexa como essa. "O sucesso e o êxito dessa missão foram graças ao esforço coletivo. Congratulo e agradeço a todos pelo trabalho realizado, pela excelência, pelo nível, para que pudéssemos chegar ao fim sem nenhum problema", finalizou.
Último dia

O clima foi de descontração no último dia da estadia no Hotel de Trânsito da Ala 2. Durante a quarentena, eles foram servidos de seis refeições diárias e, no último dia, o jantar foi yakisoba com camarão. Pela tarde, a banda da Aeronáutica se apresentou no espaço de lazer.

Para o tenente brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno, coordenador pela Força Aérea da missão de resgate, a Operação foi um sucesso. “Teve muitas pessoas e órgãos envolvidos, e posso dizer que o balanço é positivo. São 34 pessoas, desde crianças até os mais velhos, que saberão que, quando precisarem, o Brasil estará pronto para buscá-los, resgatá-los, apoiá-los”, assegurou.

Ele contou que, ao conversar com os brasileiros em quarentena, ouviu histórias de pessoas que buscavam crescimento em sua temporada na China e têm esperança de que essa fase passe e possam dar continuidade a seus projetos. "São jovens com histórias muito interessantes de vida. E vejo neles uma satisfação. Estavam do outro lado do mundo, 11 horas de fuso, dois aviões os acolhem, aqui recebem boa alimentação e apoio psicológico diário. Acredito que isso criou neles um sentimento de brasilidade", disse.
Retrospectiva

Antes da solenidade, o ministro da Defesa se reuniu no auditório da Base Aérea com a equipe de apoio. Ele fez uma rápida retrospectiva da Operação, lembrou que as possíveis linhas de ação em relação ao resgate dos brasileiros e as possibilidades de lugares de quarentena foram apresentadas, em seguida foi feito o reconhecimento das bases aéreas e, dois dias depois, as aeronaves já estavam preparadas para ir à China. E complementou fazendo agradecimentos. "Primeiro ao presidente, pelo seu gesto de decidir rápido, segundo ao governador Ronaldo Caiado, ao prefeito de Anápolis, Roberto Naves, que, de imediato, se colocaram à disposição."

A brasileira repatriada Reisirene Lial relatou como se sentiu em relação à atuação do governo forma com a Operação Regresso. "Nós nos sentimos amados, nós nos sentimos respeitados e, acima de tudo, muito bem cuidados."